Terça-feira , 28 de Março de 2017
Home / Sociedade / O que é a camada de ozônio

O que é a camada de ozônio

Neste projeto procuramos falar o máximo possível, sobre as informações disponíveis acerca da camada de ozônio, buscando respostas às seguintes questões:

  • O que é a camada de ozônio e onde se localiza?
  • Qual a influência da camada de ozônio na vida do planeta?
  • Que produtos resultantes da ação do homem causam sua destruição, alterando suas características de proteção?
  • O que podemos fazer para diminuir, senão acabar com a agressão à camada de ozônio?

Informamos que a equipe trabalhou com material obtido em periódicos científicos (como a revista Globo Ciência), livros relacionados ao tema e material obtido via Internet (ver links no final do trabalho).

O que é a camada de ozônio?

A camada de ozônio é uma “faixa” de gás que envolve a Terra e a protege de vários tipos de radiações. A camada de ozônio é formada por uma espécie de composto de oxigênio. O ozônio é formado por três átomos de oxigênio, e sua fórmula química é O3. O oxigênio presente no ar é formado por dois átomos de oxigênio (O2). A camada de ozônio fica na estratosfera, uma região da atmosfera terrestre.

O que é a camada de ozonio?
O que é a camada de ozonio?

A atmosfera terrestre

A atmosfera é uma massa gasosa que envolve a Terra. É constituída basicamente por oxigênio e nitrogênio, contendo ainda outros gases em menores quantidades. A concentração do gás ozônio na atmosfera terrestre começa a aumentar rapidamente a partir de 10 km de altitude e atinge o nível máximo entre 25 e 30 km. A partir daí a concentração diminui. A maior concentração de ozônio se encontra na estratosfera. Embora essa camada não seja bem definida e delimitada, podemos dizer que ela se encontra a 10 km acima do nível do mar e se estende até 30 km de altitude.

A atmosfera
A atmosfera

A radiação ultravioleta

Os raios ultravioleta (UV) são ondas semelhantes às ondas luminosas, provenientes do Sol, porém invisíveis ao olho humano. Encontram-se exatamente acima do extremo violeta do espectro da luz visível. A camada de ozônio nos protege do superaquecimento e da exposição aos raios ultravioleta, que em excesso prejudicam os seres vivos. Uma parte dos raios ultravioletas é filtrada pela camada de ozônio, e o restante atinge a superfície terrestre. Está provado que muita radiação ultravioleta (ou UV), é prejudicial para os organismos vivos, a ponto de comprometer a existência da vida como conhecemos. Quando absorvida em excesso, essa energia é capaz de provocar alterações genéticas, câncer de pele, catarata e até a perda total das defesas naturais dos seres vivos.

Os raios ultravioleta (UV)
Os raios ultravioleta (UV)

Substâncias nocivas à camada de ozônio

A partir do final do século XIX, devido ao desenvolvimento industrial, passaram a ser utilizados produtos que emitem CFC (um gás formado por cloro, flúor e carbono). Esse gás espalha-se pela atmosfera, e ao chegar na camada de ozônio destrói as moléculas que a formam.

Com a destruição dessa camada, a quantidade de raios ultravioletas que chegam à terra fica sensivelmente aumentada. O CFC é usado como propelente nas embalagens do tipo spray. Colocado no recipiente sob alta pressão, ao se apertar a válvula o gás sai e carrega junto o produto. No Brasil, como ocorre em vários países desenvolvidos, esse gás nocivo acaba de ser totalmente substituído nos aerossóis. Em seu lugar vai uma mistura de propano e butano, principais componentes do gás liquefeito de petróleo (gás de cozinha e de isqueiro). Essa mistura, ao contrário do CFC, não revelou ter efeitos destrutivos sobre a camada de ozônio, e quando devidamente purificada não tem cheiro. O próximo passo é a substituição do CFC utilizado em geladeiras.

SPRAY

Como ocorre a destruição?

O CFC, após ser liberado, passa intacto pela troposfera até chegar na estratosfera, encontrando a camada de ozônio. Lá existe também uma grande quantidade de radiação ultravioleta. Os raios ultravioleta quebram as partículas de CFC, liberando o átomo de cloro. Esse átomo então rompe a molécula de ozônio. Essa reação pode se repetir muitas e muitas vezes, destruindo a camada.
Nas últimas décadas tentou-se evitar ao máximo a utilização do CFC, porém sem um resultado expressivo. Deste modo o buraco na camada de ozônio continua aumentando, o que cada vez mais preocupa a população do mundo todo. A ineficiência das tentativas de diminuir a produção de CFC no mundo, devido à dificuldade de substituir esse gás principalmente nos refrigeradores faz com que o buraco da camada continue aumentando. Um exemplo do fracasso de uma tentativa de eliminar a produção de CFC no mundo foi a dos Estados Unidos, o maior produtor deste gás em todo o planeta.

Destruicao-Camada-Ozonio Destruicao-Camada

Onde fica o buraco na camada de ozônio?

A poluição produzida por todo o planeta é espalhada pelas correntes de vento. Assim, toda a atmosfera é atingida, inclusive a da Antártida. Porém, devido à baixas temperaturas, a poluição não circula para fora da Antártida, concentrando-se naquela região. O longo inverno (com poucos raios solares) faz com que o CFC se acumule. Quando chega o verão, os raios do Sol (ou seja, a radiação ultravioleta) começam a quebrar o CFC liberando grandes quantidades de cloro na atmosfera, que destroem rapidamente o ozônio, criando o buraco. Por isso a região mais afetada encontra-se na Antártida.

A camada de ozônio também diminui em outras regiões do mundo, porém não tanto quanto na Antártida.

Buraco na camada de ozônio
Buraco na camada de ozônio

Aqui temos uma visão diferente da Terra: imagine que você está “por baixo” do planeta; a região central corresponde à Antártida (pólo sul). A mancha azul bem ao centro indica as áreas mais afetadas pela redução dos níveis de ozônio.

 

0

Check Also

A Teoria da Cor

Introdução A todo o momento recebemos informações através dos sentidos, da visão, do olfacto, … …

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *