O Coelhinho Aventureiro

0
2153

O Coelhinho Aventureiro, certo dia, saiu da sua casinha, que estava ao pé de um campo cheio de papoilas e, de mala na mão, com as suas gravatas nela guardadas, a escova dos dentes e uma muda limpa, partiu para ir conhecer o mundo.

O Coelhinho Aventureiro andou toda a manhã sem encontrar vivalma. E chegou o meio-dia.
– Bolas! – dizia para si o Coelhinho – já estou com fome e não vejo nenhuma casa onde possa encontrar alguma coisa de comer.

Continuou a caminhar e, à tardinha, encontrou na berma do caminho uma linda borboleta, e disse-lhe:
– Amiga Borboleta! Estou muito contente por te ter encontrado, porque eu perdi-me, sabes, e não vejo nenhuma casa onde possa passar a noite. Podes-me indicar alguma?
– Sim, Coelhinho Aventureiro, respondeu a Borboleta -continua por este caminho e, ao chegar ao fim dele, verás a pousada do senhor Gato. Ali, com certeza que encontras comida e lugar para dormir.
– Obrigado, linda Borboleta! Vou já para lá.

E assim fez o Coelhinho aventureiro. A andar, a andar, chegou ao fim do caminho e, com efeito, encontrou a pousada e bateu à porta, perguntando:
– Podem-me dar de comer e alojamento para esta noite?
– Tens dinheiro para pagar? – perguntou o senhor Gato.
– Então, não havia de ter! – respondeu o Coelhinho.
– Nesse caso, podes entrar – resolveu o dono da pousada, mas nenhum dos dois tinha reparado em que, escondida atrás de umas árvores, estava a Raposa Bandida, que tinha visto chegar à pousada o Coelhinho Aventureiro.

A Raposa Bandida pensou:
– Mas que coelho tão gordinho! Vou esperar que saia da pousada e, logo que o tenha entre as minhas mãos, como-o guisado com tomate.

Coitadinho do Coelhinho Aventureiro! Que longe estava ele de imaginar que, ao pé da casinha, estava à sua espera, pacientemente, a Raposa, lambendo já os beiços de prazer, porque vocês devem saber que uma das coisas de que ela mais gostava era de lombo de coelho grelhado, depois de um aperitivo à base de orelhas de coelho.

O Coelhinho estava a aquecer-se ao lume, enquanto assava o frango que lhe ia servir de jantar, quando entrou pela janela a Borboleta, dizendo:
– Coelhinho Aventureiro, Coelhinho Aventureiro! À porta da pousada está escondida a Raposa Bandida, à espera de te apanhar, ao saíres daqui, para te espetar o dente. Não tens por onde fugir, pobre Coelhinho Aventureiro, porque a casa não tem nenhuma outra saída fora daquela onde a Raposa está à tua espera. O que é que pensas fazer?

O Coelhinho foi à janela com muito cuidado. Lá estava, à espreita, perto da porta, o seu terrível inimigo. Mas o Coelhinho Aventureiro teve uma ideia feliz. Apanhou da chaminé uma brasa e, aproveitando que a Raposa tinha a cauda tão levantada que chegava até ao pé da janela, encostou-lhe a esta a brasa. A Raposa Bandida, sentindo que se queimava, olhou para trás e viu a cauda a arder, deu um enorme pulo e desatou a correr para longe da pousada, dando urros de medo, à procura de água onde poder apagar o fogo.

O Coelhinho Aventureiro saiu, então, livremente da pousada e voltou para casa muito contente.

Mesmo quando às vezes parece estar tudo perdido, acabamos por encontrar uma solução!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui