Google: 2 em cada 3 pesquisas terminam sem um clique

A tendência de Zero-Click está a acelerar-se: a taxa de rejeição (Bounce Rate) nas SERP do Google está a subir em flecha.

Evolução ta taxa de clic no motor de busca Google
Google, de um motor de busca para um motor de resposta. SparkToro / SimilarWeb

Google transforma-se num motor de resposta

O Google já não quer ser um intermediário: o motor de busca está a evoluir cada vez mais para um motor de resposta, capaz de informar directamente o utilizador.

As páginas de resultados são muitas vezes enriquecidas com extractos optimizados e elementos estruturados no topo da página ou de lado, permitindo ao utilizador encontrar o que veio buscar sem passar pelos sites referenciados.

Este fenómeno, regularmente destacado por Rand Fishkin, está a crescer: de acordo com os últimos inquéritos SimilarWeb e SparkToro de mais de 100 milhões de utilizadores, quase duas em cada três pesquisas Google não resultam num clique.

Quase 65% das pesquisas no Google não resultam num clique
Quase 65% das pesquisas no Google não resultam num clique. SparkToro / SimilarWeb

Uma tendência ainda mais forte no telemóvel

Sem surpresa, esta tendência de Zero-Click é ainda mais forte nos telemóveis. Nestes ecrãs, que são mais pequenos do que os de um computador, os resultados directos ocupam muito espaço.

O utilizador tem muitas vezes de percorrer a página para chegar às primeiras ligações naturais.

Podemos também considerar que algumas das perguntas realisadas nos telemóveis são mais simples, e que é mais fácil respondê-las directamente: tempo, horário de abertura…

A distribuição de cliques em telemóvel

No telemóvel, apenas 22% das pesquisas levam a um clique num resultado natural, menos de 1% a um clique num resultado patrocinado, e 77% dos utilizadores saem à medida que chegam, sem clicar num resultado de pesquisa.

A tendência Zero-Click nos telemóveis
A tendência Zero-Click nos telemóveis © SparkToro / SimilarWeb

A distribuição de cliques nos desktop

Nos computadores, os resultados naturais ainda atraem 50% das consultas. Quase 3% dos utilizadores clicam num anúncio e mais de 46% não clicam em nenhum resultado.

A distribuição de cliques nos desktop
A tendência Zero-Click nos desktop © SparkToro / SimilarWeb

Um fenómeno preocupante para as empresas digitais

Pouco a pouco, o Google está a conseguir guardar os utilizadores da Internet no seu site, servindo-lhes as respostas às suas perguntas numa travessa.

O motor depende fortemente de conteúdos concebidos e escritos por terceiros.

Os editores podem temer este fenómeno, especialmente porque as taxas estão agora a atingir níveis sem precedentes. Encontram-se numa situação em que a “escolha” é :

  • não permitir que o seu conteúdo apareça nos snippets otimizados, para forçar os utilizadores a visitar os seus websites;
  • otimizar o seu conteúdo para que seja captado sem compensação pelo Google, cedendo assim parte do seu trabalho ao motor de busca.

Algumas editoras, como a Wikipédia, podem dar-se ao luxo de iniciar um braço de ferro com o Google e os gigantes da tecnologia, forçando-os a pagar para assumir o conteúdo (depois de os ter deixado utilizá-lo gratuitamente durante muito tempo).

Mas a grande maioria dos websites não pode oferecer este tipo de luta de poder e optará pela segunda opção sem hesitação; bem conscientes de que se não aceitarem estas respostas diretas, os seus concorrentes o farão.

Deixe um comentário