Redes sociais e podcasts: os novos desafios do áudio social

A tendência dos Podcasts (ou áudio social) está a afetar todas as plataformas, desde as mais antigas até às mais recentes.

Pensou que já tinha visto tudo no fantástico mundo interconectado das redes sociais?

Facebook, Instagram, Snapchat, Twitter ou Tiktok podem já ter sido deixados para trás… ou vão ter de se adaptar.

Em alguns países, e especialmente entre os jovens, as novas estrelas chamam-se ClubHouse, Cappucino ou Discord.

O que os torna especiais? No seguimento dos podcasts, um modelo totalmente virado para o áudio, que está a pulverizar a partilha social e deve encorajar os anunciantes a adotar uma estratégia de áudio social.

Podcasts e social áudio: como é que se complementam?

Desde há vários anos, os podcasts têm vindo a gozar de sucesso crescente, particularmente com o desenvolvimento das plataformas de streaming Spotify, Deezer e Apple Music.

Nos transportes, no carro, no ginásio, no supermercado ou mesmo no escritório, permitem-lhe que ouvir de forma passiva enquanto faz outra coisa.

Muitos programas populares optaram por este formato áudio, que se está a tornar cada vez mais popular numa variedade de temas (desporto, história, saúde, finanças, desenvolvimento pessoal, etc.).

Com este sucesso crescente, as marcas seguiram naturalmente o exemplo.

Respondendo em particular ao desejo dos ouvintes de ver as suas marcas favoritas oferecerem os seus próprios podcasts, algumas marcas desenvolveram podcasts de conteúdo de marca na web.

A publicidade neste formato é particularmente popular entre o público, 65% dos quais a consideram aceitável neste meio e que estariam muito inclinados a comprar um produto recomendado num podcast, de acordo com um estudo do IAB e da Edison.

Os podcasts estão assim a tornar-se um verdadeiro desafio marketing para as marcas, que devem ser capazes de oferecer conteúdos publicitários áudios adaptados tanto ao tema do podcast como ao contexto em que o ouvinte está localizado no momento da audição (hora do dia, localização, atividade realizada durante a audição, etc.).

De podcasts às redes sociais vocais

Na sequência dos podcasts, o aumento do áudio social é ainda mais justificado pela nova tendência das redes sociais baseadas na voz, que têm vindo a tornar-se na moda nos últimos meses, especialmente desde a introdução das medidas de saúde relativas ao distanciamento social.

Na sequência do Clubhouse, a rede vocal ultra seletiva popularizada pelas estrelas da Silicon Valley, surgiram outras salas de conversação vocais 2.0 que permitem aos utilizadores trocar mensagens sonoras, que são particularmente populares nas camadas mais jovens.

Salas privadas que permitem aos utilizadores conversarem e contar uns aos outros o seu dia (Cappucino, Rodeo) ou participar em grupos de discussão com desconhecidos (Discord, Chalk) e expressar várias opiniões sobre uma multiplicidade de assuntos (sociedade, economia, ambiente, etc.).

Menos extenuante do que o texto e menos intrusivo do que o vídeo, o áudio satisfaz assim uma nova necessidade e parece ter aberto o caminho a um mercado florescente.

Twitter reagiu rapidamente comprando a aplicação social podcasting Breaker para a integrar na sua nova rede vocal Spaces, permitindo que as pessoas conversassem em salas digitais.

O LinkedIn também colocou o assunto em cima da mesa.

As marcas devem portanto explorar novas ferramentas de áudio sociais baseadas na voz, tal como o que poderia ser feito na rádio há várias décadas atrás.

Uma readaptação com ferramentas modernas para atingir novas populações e responder a usos mais contemporâneos tais como míni livros eletrónicos (e-book), reportagens áudio ou testemunhos de clientes com uma promessa de venda sempre subtilmente integrada no conteúdo.

A este respeito, o áudio social tem muitas vantagens, tais como a proximidade, uma ótima segmentação e uma difusão ótima da mensagem (sem ad-blockers, sem possibilidade de passar a publicidade como se faz nos vídeos).

É um grande regresso da voz, enquanto, ao mesmo tempo, a rádio está a entrar em relativo desuso.

Como sempre, nada se perde, mas tudo se transforma…

Deixe um comentário